O número de afastamentos por problemas de saúde ligados ao ambiente de trabalho vem crescendo no País. Foram registrados mais de 181 mil casos em 2015, um avanço de 25% nos últimos dez anos, segundo publicação mais recente do Anuário do Sistema Público de Emprego e Renda, elaborado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

O aumento está relacionado com as jornadas excessivas, condições de trabalho e às transformações do mercado. Entre as principais queixas, estão dores nas costas, Lesão por Esforço Repetitivo (LER) e doenças psicossomáticas. Segundo previsão da Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão será a patologia mais incapacitante do mundo já em 2020.

“Ninguém tem o corpo 100%. A falta de tempo para atividades físicas, a ansiedade e a obesidade são fatores que levam as pessoas a adoecerem com maior facilidade”, explica José Izidoro Furlan, médico do trabalho da Nova Saúde.

De 2005 a 2015, os casos de doença ocupacionais aumentaram 41% entre as mulheres, enquanto entre os homens, no mesmo período, o avanço foi de 12%.

São números alarmantes e que deveriam chamar a atenção das empresas para cuidarem, cada vez mais, do bem-estar dos seus colaboradores. Nesse sentido, a Nova Saúde desenvolveu um programa unificado de gestão e acompanhamento de afastados, responsável por ajudar na redução do número de afastamentos e evitar que o funcionário fique no “limbo previdenciário”, diminuindo despesas.

O objetivo é identificar o motivo do afastamento, monitorar individualmente cada situação e prestar suporte psicológico e jurídico ao profissional desde sua licença até o retorno ao trabalho. O programa já ajudou no restabelecimento de aproximadamente 4 mil colaboradores.

Além disso, são feitos exames periódicos que permitem traçar um cenário sobre a saúde dos funcionários e, com base nisso, propor medidas preventivas para evitar novos casos. “Se você faz a prevenção, a pessoa não adoece e trabalha mais satisfeita. Isso impacta diretamente na produtividade da empresa. É uma cadeia alimentada com base na prevenção para minimizar os riscos de afastamentos”, salienta Izidoro.

O programa ainda envolve suporte às questões trabalhistas junto ao departamento jurídico da companhia, acompanhamento periódico do histórico do colaborador, novas práticas com treinamentos das equipes in company e auxílio em ações regressivas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Todos os serviços são integrados em uma única plataforma e alinhados com as demandas do sistema eSocial. Com isso, a equipe da Nova Saúde atua constantemente no apoio às empresas a fim de contribuir para redução dos custos, além de zelar pela saúde e segurança dos funcionários.