Vivemos a era da multitarefa, na qual o acesso tecnológico torna as jornadas mais longas. Não raro, os colaboradores descuidam da saúde mental e física, em parte por falta de tempo, mas também por inadequações do próprio ambiente de trabalho. Jornadas exaustivas, repetição de movimentos, barulho em excesso ou alimentação desregrada são algumas das razões que reduzem a produtividade, gerando perdas e ineficiência à empresa e, sobretudo, comprometendo a saúde dos trabalhadores. Contar com avaliação de ambientes por profissionais da área de segurança e medicina do trabalho para mapear os riscos de cada local é uma boa estratégia para enfrentar o desafio da saúde ocupacional. Na Nova Saúde, temos apoiado as organizações nessa agenda.

Dados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) apontam que a dorsalgia (dores nas costas) foi o problema que mais afastou brasileiros dos postos de trabalho em 2017. Foram 83,8 mil casos, sendo a enfermidade que lidera a lista de doenças relacionadas ao trabalho nos últimos 10 anos. Em segundo lugar foi fratura de perna, incluindo o tornozelo, e fratura do punho e da mão com 79,5 mil e 60,3 mil ocorrências, respectivamente.

Já as licenças relacionadas aos transtornos psíquicos estão ligadas, em geral, ao excesso de tarefas, a falta de reconhecimento e autonomia no trabalho. Segundo o INSS, episódios depressivos e outros transtornos ansiosos foram responsáveis por impedir a atuação de quase 50 mil trabalhadores também em 2017. Inclusive, a Organização Mundial de Saúde (OMS) alerta que a depressão será a doença mais incapacitante do mundo já em 2020.

É possível evitar que esses problemas aconteçam com a adoção de medidas simples e que são benéficas a todos:

– Ginástica laboral: a modalidade previne lesões por esforço repetitivo (LER), contudo é importante que complementarmente os funcionários façam pausas para descanso durante a jornada;

– Prática de exercícios físicos: o incentivo à atividade combate os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) e melhora a saúde e bem-estar dos trabalhadores.  A oferta de mobiliário adequado e ergonômico na empresa também é essencial;

– Equipamentos de proteção individual (EPI): o uso de protetores auriculares, por exemplo, é capaz de prevenir perda auditiva induzida por ruído (PAIR) nos locais com muita poluição sonora. Além disso, os EPIs são essenciais para minimizar e prevenir outros riscos à saúde e segurança da equipe.

– Ambiente mais amigável: os transtornos psíquicos, como ansiedade e estresse, estão diretamente ligados às pressões que podem ocorrer no ambiente de trabalho. A criação de um canal de diálogo entre funcionários e gestores colabora muito para reversão desse quadro.

A estratégia da Nova Saúde é o acompanhamento dos trabalhadores da sua empresa com serviços de apoio e adaptação para o retorno ao trabalho especialmente em casos crônicos e internações de longa permanência, bem como a adaptação do local de trabalho para torná-lo mais seguro e adequado às normas regulamentadoras. É possível ainda realizar um mapeamento de risco detalhado de toda a população vinculada a sua empresa e com isso identificar previamente problemas e até mesmo doenças relacionadas a saúde física e mental do trabalhador possibilitando a realização de ações preventivas e aplicação de programas de promoção da saúde e bem-estar de todos.